Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Elefante

O Elefante

Perfeitos Desconhecidos

O Elefante, 16.05.21

perfeitos_desconhecidos_21abril_m80_1200x630.jpg

Há uns dias fui ao Teatro com amigos e a peça que nos calhou na rifa foi "Perfeitos Desconhecidos" no teatro Maria Marta em Lisboa. Nenhum de nós sabia do que tratava a peça senão que era uma comédia. O plot da peça é muito simples: um jantar de amigos, decidem colocar os telemóveis em cima da mesa sem qualquer pudor e ler as mensagens que lhes cheguem em voz alta. No desenrolar da peça, o espectador assiste às revelações, aos segredos e às reações dos amigos. A peça deixou-me a pensar porque também eu tenho segredos, alguns maiores que outros, aliás, um certamente mais importante que os outros... E, no entanto, ali estava eu, sentado ao lado dos meus amigos, que também eles devem ter as suas coisas, enquanto pensava no que lhes escondo. Seria eu capaz de colocar o meu telemóvel na mesa? Deixar que lessem e vissem o que recebo? Provavemente não. A pergunta que se impõe é: estou a tentar salvaguardar-me a mim ou a eles? Porque se estiver a tentar salvaguardá-los então sou um estúpido e devia era cagar nisso e seguir a minha vida. Agora, se estiver a salvaguardar-me a mim, há uma segunda pergunta a fazer. Estou a salvaguardar-me do quê? Das críticas deles? Do facto deles poderem só afastar-se? Da amizade mudar? Valerá a pena afectar a minha vida por pessoas que, se soubessem quem eu sou podiam cagar em mim? Imaginem que eu esperava  anos para ganhar coragem e no final desse tempo lhes dizia, iria arrepender-me de ter esperado  quer pelos que reagissem bem e não mudassem nada na amizade, quer pelos que reagissem mal e se afastassem. Não vale a pena. O telemóvel tem que estar à vista. Um amigo meu no final da peça questionou "Como é que um grupo de amigos poderia ter tantos segredos e, ainda por cima, segredos destes?", no entanto, ali estava eu a um metro dele, um perfeito desconhecido. Recomendo que vão ao Maria Marta e que levem o vosso companheiro/a ou os vossos amigos e no regreso sei, que à vossa maneira, terão percebido que sempre foram "perfeitos desconhecidos".

O Elefante

4 comentários

Comentar post